Argentina: o penúltimo duelo entre Sebastiões

O Rali da Argentina será a penúltima vez que veremos em confronto direto Sebastien Löeb e Sebastien Ogier, com duas máquinas do WRC, num rali oficial. Com o “Sebastião” mais velho em modo de semi-retirada, vai ser interessante se será capaz de acompanhar, ou bater, o mais novo Sebastien, que este ano, com o seu Volkswagen Polo R WRC, já venceu três de seguida e está cada vez mais a desenhar-se como o favorito para vencer o título mundial nesta temporada.

Contudo, o piloto da VW Motorsport e atual líder isolado do Campeonato do Mundo de Ralis afirmou recentemente que o seu principal objetivo não é bater Löeb, mas sim “focar-me nos meus rivais do campeonato“. Mas não esconde o que vai ser este rali: “Estou ansioso com o duelo com o Sébastien. Tivemos uma grande luta na Suécia e não será novamente fácil na Argentina”, confirmou. 

Já Sebastien Löeb, que cumpre em paragens argentinas o terceiro dos quatro ralis que pretende fazer este ano, tem uma postura cautelosa em relação ao seu grau de favoritismo ao rali, dado que a falta de ritmo – não faz ralis desde a Suécia – poderá ser um problema acrescentado.

Sinceramente não sei que tipo de sentimento que vou ter nas primeiras especiais da Argentina. Eu acho que se pode perder o ritmo muito rapidamente, e é por isso que eu sou cauteloso relativamente às minhas chances. Não há como negar o fato de eu ter praticamente saído dos ralis, mas agora estou focado no futuro. Este programa reduzido é uma boa maneira de continuar a competir para a Citroën em 2013, mas eu não estou tão bem preparado quanto o Mikko, Dani e os outros pilotos. Vamos ver o que acontece quando tiver o capacete posto…“, começou por dizer numa entrevista publicada no site oficial da Citroen.

Quanto ao que se passa no campeonato, Löeb afirma que apesar da Volkswagen ser um rival à altura, a Citroen ainda têm trunfos para se bater com os rivais: “Obviamente, assisti aos troços e vi como tudo decorreu. Nem sempre foi fácil para Citroën confrontar-se com um rival que já estava conseguindo combinar altos níveis de desempenho com fiabilidade. Mas a temporada ainda agora começou e para ganhar provas exige coerência. Vimos que o DS3 WRC foi mais rápido em Portugal do que no México, e isso sugere que a equipa está a fazer progressos. Para além disso, o DS3 WRC torna-se mais confortável quando existe um nível elevado de aderência.“, concluiu.

No final da semana, em terras argentinas, ver-se-á como se comportarão estes dois pilotos. E quem levará a melhor. 

A demora nas eleições da FPAK

Como já é sabido, a presidência da FPAK está por preencher após a morte inesperada de Luiz Pinto de Freitas, no passado dia 9 de abril. E sabe-se desde a semana passada de que há uma candidatura à presidência anunciada, na figura de Artur Lemos, que colocou no Facebook o seu manifesto eleitoral. Contudo, fala-se que existem mais duas possibilidades de candidatura à presidência da FPAK. A primeira é uma candidatura de continuidade, liderada poe Manuel de Mello Bryner, em parceria com Paulo Campos, e a segunda por um ex-navegador, António “Mex” Machado dos Santos. Nenhuma destas hipóteses é oficial, e tão cedo não se saberá quando serão anunciados. Não tanto por vontade deles, mas por outro motivo: a marcação de uma Assembleia Geral, cuja data ainda é desconhecida.
A Autosport portuguesa explica na sua última edição que a marcação de eleições acontecerá após a marcação dessa Assembleia Geral, com o intuito de aprovar as contas do ano transacto. Ambas as ações poderão ser marcadas com um espaço mínimo de um mês, para ter tempo a que todas as candidaturas possam apresentar as suas listas.
O problema é, segundo diz a própria revista, “ainda não estão na posse dos responsáveis todos os documentos necessários e imprescindíveis para que se possa avançar com o apuramento e fecho das contas – o que tem levado ao atraso de todo o processo de eleição da nova direção da FPAK.
Terminado esse procedimento, e caso haja dúvidas ou verificação de irregularidades na contabilidade do exercício por parte do presidente da mesa e delegados representantes dos clubes associados, as contas poderão ser enviadas para o Instituto Português do Desporto e Juventude, organismo estatal que tutela e supervisiona todas as entidades com estatuto de Utilidade Pública Desportiva. Na sequência disto, o presidente da Assembleia Geral ditará então uma data limite para a entrega das candidaturas, assim como o dia do ato eleitoral propriamente dito.
Da maneira como andam as coisas, pode ser um procedimento que demore algumas semanas, senão meses.

Youtube NASCAR Fight: Brian Scott vs Nelson Piquet Jr.

A NASCAR, nos últimos tempos, tem sido noticia nos últimos tempos não só pelo que passa na pista, mas especialmente fora dela. Especialmente com as brigas entre os membros de equipas rivais. Desta vez, em Richmond, a briga foi entre duas equipas da Nationwide Series, entre eles… Nelson Piquet Jr. Verdade. As piadas podem começar agora.
As coisas começaram quando Piquet e Brian Scott colidiram na pista, e o americano foi pedir satisfações no final da corrida. Resultado: o brasileiro deu-lhe um pontapé nas pernas (deveria querer dar nas partes mais baixas…). Mas as coisas não ficaram por aqui: depois do incidente ter ocorrido, outros membros da equipa de Scott foram ter com outros membros da equipa de Piquet, e mais brigas ocorreram. Resultado final: dois membros da equipa de Scott foram detidos.
Quase 31 anos depois, um Piquet andou à briga de novo…

WSR: Carlos Huertas vence no diluvio de Aragon

A segunda corrida da World Series by Renault, realizada esta tarde na Motoland Aragon foi marcada pela chuva, onde um diluvio fez com que os pilotos tivessem dificuldades em manter o carro na pista. O vencedor foi inesperado: o colombiano Carlos Huertas, que conseguiu ser mais veloz do que o russo Serguei Sirotkin e o belga Stoffel Vandoome.

As coisas começaram com o abandono do poleman, o francês Norman Nato, para depois ser aproveitado por Huertas, que após a saída do Safety Car, descolou-se do restante pelotão para terminar no lugar mais alto do pódio.

Quanto a António Félix da Costa, partindo apenas do nono posto numa qualificação problemática, ele não conseguiu mais do que o sétimo lugar, conseguindo manter o carro na pista com alguma dificuldade, mas conseguindo marcar pontos nesta corrida. Aproveitando dos abandonos de Nato e do erro do brasileiro André Negrão, conseguiu subir até ao sexto lugar, tentando acompanhar Will Stevens e Nico Muller, mas depois não foi capaz de aguentar os ataques de Nigel Melker e perdeu esse lugar. 

O vencedor da primeira corrida, Kevin Magnussen, partiu apenas do 22º posto, mas terminou a corrida nos pontos, no nono posto.

No final da corrida, o piloto português explicou como foi a sua corrida na sua página de Facebook: “Senti muitas dificuldades na corrida de hoje, claramente não acertámos com a afinação e por várias vezes o carro entrou totalmente em aquaplaning. Foi uma corrida muito difícil para mim, com o 7º lugar a ser mesmo o resultado possível. Este tipo de resultados não correspondem aos nossos objectivos, mas ainda estamos na fase inicial da temporada, por isso agora há que levantar a cabeça e pensar já na próxima corrida, no Mónaco, uma pista sempre especial onde tudo farei para vencer!

Na classificação geral, Magnussen é o lider, com 63 pontos, seguido por Vandoome, com 59. Arthur Pic é o terceiro, com 35 pontos, mais quatro que Félix da Costa, e mais cinco que Will Stevens e Serguei Sirotkin.

A próxima ronda da World Series by Renault vai acontecer dentro de um mês, nas ruas do Mónaco.

Noticias: Kubica confirmou ter andando no simulador da Mercedes

Os rumores tinham surgido no inicio da semana na imprensa especializada. Mas nada se tinha ouvido da boca de Robert Kubica até este fim de semana, quando em Ponta Delgada – onde estava a participar no Rali Açores – o piloto polaco confirmou que sim, tem estado a treinar no simulador de Formula 1 da Mercedes.Posso dizer que sim, eu estive lá [no simulador da Mercedes]. Mas não posso dizer quanto tempo ou voltas eu fiz” – declarou o piloto polaco à Autosport inglesa.

Kubica poderá ter valido das boas relações que tem com Christian “Toto” Wolff para ter acesso a´estrutura de Brackley, mas as fontes contactadas pela imprensa afirmaram que, apesar de ele ter tido acesso a tudo que há de moderno dentro da estrutura, as suas chances de regressar a um cockpit de um Formula 1 continuam a ser baixas, na ordem dos 20 por cento.

Por agora, Kubica está a correr no Europeu de Ralis, a bordo de um Citroen DS3 RRC, onde acabou este fim de semana a prova açoriana na sexta posição, depois de ter liderado boa parte dela e ter perdido muito tempo após um capotamento neste sábado.

WTCC: Tarquini e Coronel vencem na Eslováquia, Monteiro em bom plano

Os Honda Civic foram os melhores este domingo na rodada dupla da Eslováquia, com Gabriele Tarquini a vencer a primeira corrida, numa tripla com Tiago Monteiro no segundo lugar e o húngaro Norbert Mischeliz a fechar no pódio. 

A primeira corrida da tarde não foi mais do que um passeio dos japoneses, com Tarquini a adquirir uma ligeira vantagem sobre o piloto português, que teve de aguentar os ataques de Norbert Mischeliz a partir da segunda parte da corrida, mas foi capaz de manter o segundo lugar até ao final.
No final da corrida, Tarquini dava à Honda a sua primeira vitória no WTCC desde o seu regresso: “A primeira é realmente importante, queria mesmo obter esta vitória para a Honda. Tinha que se eu a dar a primeira vitória à Honda, eles são mais jovens, podem esperar”, referiu Tarquini.

Na segunda corrida, o holandês Tom Coronel partiu para a frente, seguindo por o Seat de Pepe Oriola, o Seat de Rob Huff e o Honda de Tiago Monteiro, pressionado pelo Chevrolet de Yvan Muller. Contudo, no inicio da segunda volta, o piloto português leva um toque de Muller e perde posições. Para além do francês, o outro Honda de Tarquini foi beneficiado.
Com o avançar da corrida, Coronel tentou aguentar Oriola, mas no inicio da quarta volta, a luta estava pelo terceiro lugar, com Muller a passar Huff, mas o ingês deu o troco duas curvas depois. Tudo isto com Tarquini a observar, e Monteiro a passar o inglês Tom Chilton. No inicio da sexta volta, toda esta gente apanha Pepe Oriola, que conseguiram apanhá-lo. O jovem piloto espanhol caiu para o sexto lugar, em pouco mais de duas curvas.
No inicio da penultima volta, Huff falha a curva e é superado por Muller e Tarquini, com o inglês a cair para o quarto posto. O italiano tentou passar o francês, mas atrás, Monteiro tentava superar Huff. Contudo, os Honda não conseguiram isso.

Tudo isto acontecia enquanto que na frente, Tom Coronel estava sem ser incomodado na liderança. A vantagem era já de quatro segundos, e foi assim que ficou quando passou pela bandeira de xadrez, vencendo a segunda corrida da tarde, na frente de Muller, Tarquini, Huff e Tiago Monteiro.

WSR: Kevin Magnussen vence em Aragon, Félix da Costa penalizado

O dinamarquês Kevin Magnussen foi o melhor nesta primeira corrida do fim de semana do WSR na pista espanhola de Motoland Aragon, conseguindo ser mais veloz do que o britânjco Will Stevens e o francês Arthur Pic. O filho de Jan Magnussen conseguiu dominar a corrida, acabando-a com mais de vinte segundos de vantagem sobre o segundo classificado. O russo Serguei Sirotkin foi o quarto, enquanto que o belga Stoffel Vandoome não fez mais do que o oitavo lugar da classificação geral. 
Para António Félix da Costa, esta sábado foi para esquecer. O piloto da Arden Caterham tinha feito o terceiro melhor tempo, mas parou na pista logo após o final da qualificação por erro de cálculo da equipa da quantidade de combustível necessária para completar a volta de desaceleração. Não conseguindo levar o seu carro até às boxes, a organização da Formula Renault 3.5 decidiu aplicar as mesmas regras que na Formula 1, penalizando o piloto – anulando-lhe os tempos – e o relegando para o final da grelha de partida.
Na corrida, o piloto português começou logo a subir seis posições na primeira volta de depois foi subindo na classificação, mas mais devagar, até chegar ao 13º posto sem se conseguir aproximar de Nikolay Martsenko, embora tenha terminado a menos de um segundo do russo. Nessa altura, Félix da Costa já tinha os pneus demasiado gastos e chegou a cometer alguns erros a tentar apanhar o russo e a defender-se do brasileiro Yann Cunha.

No final da corrida, Félix da Costa explicou na sua página de Facebook o seu mau fim de semana em Aragão: “Um erro no cálculo da quantidade de gasolina na qualificação acabou por nos estragar o dia, pois ao largar de último as coisas complicaram-se para o meu lado. Lutei o mais que pude mas a verdade é que quando cheguei a 13º os pilotos à minha frente já estavam bastante distanciados, o que me impossibilitou de chegar aos pontos.
Amanhã é um novo dia com uma qualificação independente, portanto vamos efectuar algumas alterações no set up do carro e entrar em pista com o objectivo fresco de vingar o mau dia de hoje. Estou calmo e focado na corrida de amanhã.“, concluiu.