1976: O ano do verdadeiro "Rush" (parte V)

(continuação do capitulo anterior)

8. UM MIRACULOSO REGRESSO

Quando máquinas e pilotos estão juntos em Zeltweg, a 15 de agosto, já Niki Lauda estava a recuperar dos seus ferimentos. Mas na grelha de partida havia uma ausência notavel: a Ferrari. Sem conseguir arranjar um piloto, Enzo Ferrari decidiu retirar os seus carros da pista, depois de ter tantado cancelar a corrida e ameaçando não aparecer mais no resto da temporada. Apesar da vantagem, a McLaren não aproveitou a ocasião, pois o vencedor foi o irlandês John Watson, que a bordo da americana Penske, conseguia aquela que viria a ser a sua primeira vitória da carreira. E para comemorar o feito… cortou a sua grande barba!
Depois, Watson telefonou a Lauda, que ainda estava internado na clinica, para lhe desejar as melhoras. O austriaco reagiu da seguinte forma: “Fico feliz que vocês conseguiram derrotar aquele sacana do Hunt!” A sua determinação e o seu humor continuavam intactos.
Duas semanas depois, a Ferrari, graças aos esforços de persuasão ao “Il Commendatore” de Luca di Montezemolo e de Daniele Audetto, voltou a correr, desta vez em Zandvoort, palco do GP da Holanda. Por esta altura, já todos sabiam que o austríaco estava a salvo, e a convalescer em casa, mas também todos pensavam que ele estaria fora de combate para o resto da temporada. Clay Regazzoni era o único piloto presente, embora a Scuderia já estava a contratar o argentino Carlos Reutemann, vindo da Brabham, para correr a partir de Monza e tentar reter o mais possível os ataques de Hunt.
Por essa altura, tinha acontecido a apresentação do recurso no Royal Automobile Club (RAC) sobre os eventos no GP da Grã-Bretanha, e a RAC tinha chegado à mesma conclusão dos comissários da Formula 1, dando a vitória para Hunt. Inconformada, a Scuderia apelou para a FIA, que marcou a audiência para o dia 25 de setembro, na sua sede, em Paris.
Na pista holandesa, Regazzoni tinha como objetivo acabar na frente de Hunt, para-lhe tirar pontos. Mas o inglês tinha feito o segundo melhor tempo, apenas superado pelo March de Ronnie Peterson, enquanto que o suiço tinha alcançado apenas o quinto melhor tempo. Na partida, Hunt perde um lugar para Watson, mas sobre para o segundo posto na 14ª volta. Imediatamente ataca Peterson e chega à liderança na volta seguinte. A partir dali, começa a ser pressionado, primeiro por Watson, e a partir da volta 53, por Regazzoni. Tal como no ano anterior, com Lauda, Hunt resistiu até ao fim aos ataques do suiço e na volta 75, quando foi mostrada a bandeira de xadrez, Hunt tinha vencido pela quinta vez na temporada e mais importante ainda: tinha reduzido a diferença para Lauda a meros… dois pontos.

Mas nos dias seguntes, começou-se a ouvir um rumor: de que Lauda iria regressar ao ativo já em Monza! A principio, poucos acreditavam nisso, mas a 10 de setembro de 1976, em Monza, dia dos primeiros treinos do GP de Itália, o mundo inteiro via espantado um Niki Lauda diferente. Mal conseguiam acreditar que 40 dias antes, aquele homem tinha estado a lutar pela vida, do qual poucos acreditavam que sobreviveria, e viam o que as consequências físicas que o acidente de Nurburgring tinha causado em si: parte da sua cara estava queimada, tinha perdido as sobrancelhas e parte do cabelo, a sua orelha direita estava mutilada, tendo perdido a sua cartilagem exterior. No final daquele fim de semana, todos aplaudiam a coragem de um homem que tinha ido ao Inferno e voltara e tiravam o chapéu a tal gesto, pois iria haver luta até ao fim pelo título mundial daquele ano. E ainda por cima, a sua determinação e o seu humor continuavam intactos.

Mas a adaptação de Lauda ao carro foi tudo, menos fácil. Apesar de ter um capacete especialmente preparado para o efeito, quando o retirou, após uma das suas passagens pela pista, os pensos estavam em sangue e as feridas em carne viva. E o próprio piloto confessou que teve um ataque de pânico no primeiro dia, depois de andar uma volta no carro. Mas ele adaptou-se, e após uma sessão à chuva na sexta-feira, conseguiu o quinto melhor tempo no sábado, na frente de Hunt, que era apenas o nono na grelha.

Mas no final da sessão de sábado, mais controvérsia: os comissários de pista descobrem que os McLaren de Jochen Mass e James Hunt, bem como o Penske de John Watson, tinham corrido com gasolina com mais de 101 octanas, que era ilegal. Os seus tempos foram imediatamente anulados e criaram desde logo “frisson” porque corriam o risco de não se qualificarem para essa corrida, dado que os tempos de sexta-feira tinham sido feitos em piso molhado. Para Hunt, isto tudo só poderia ter acontecido por uma razão: era a Ferrari, que queria eliminar a concorrência mais direta.


As autoridades italianas simplesmente fizeram batota, de acordo com as regras, poderemos usar gasolina de 101 octanas, com uma margem de erro de de uma octana. Anunciaram que a nossa gasolina era de 101,7 octanas, bem dentro da margem de erro, de acordo com as regras. Apelamos, é claro, mas os organizadores sabiam que o apelo só seria respondido após a corrida, e eles sabiam disso“. E de facto foi verdade: no apelo, a McLaren foi-lhe dada razão, mas este aconteceu depois da corrida, e o mal estava feito.


Desesperados, McLaren e Penske tentaram convencer três pilotos para que retirassem os seus carros antes da corrida e lá conseguiram: Guy Edwards fez isso, enquanto que os Wolf-Williams de Arturo Merzário e o Tyrrell privado de Otto Stupacher já tinham abandonado a pista de Monza, convencidos que não tinham conseguido se qualificar.

Na largada, Hunt tentou fazer uma corrida de trás para a frente, mas acabou na 11ª volta quando deu um toque no Shadow de Tom Pryce na segunda chicane. Para Lauda, a corrida acabou no quarto posto, numa corrida vencida por Ronnie Peterson, mas mais importante, tinha conseguindo três preciosos pontos na luta pelo campeonato.  No final, ainda com os pensos em sangue, foi levado em ombros pelos “tiffosi”.


9. UMA DECISÃO EXTRAORDINÁRIA

Mas mais estava para vir: a 25 de setembro, a FIA ouviu o apelo da Ferrari em relação ao resultado do GP da Grã-Bretanha, dois meses antes, e esta deu razão á Scuderia, que afirmou que Hunt recebeu “assistência externa” do seu McLaren, o que era contra os regulamentos. Resultado: Hunt foi desqualificado e os nove pontos cairam no colo de Lauda, e a diferença passou para 17 pontos. A sentença foi anunciada na terça-feira anterior ao GP do Canadá, marcado para o circuito de Mosport, nos arredores de Toronto.

A sentença fora recebida em choque pelos lados da McLaren: “Nenhum de nós tinha levado o protesto da Ferrari muito a sério, e por causa disso, Teddy Mayer, o patrão da McLaren, não tinha preparado uma defesa convincente. Foi um grande choque para mim“, disse Hunt.

Para a equipa, era um sinal de que tudo estava perdido. Caldwell, que para além de cuidar dos carros, tinha de estar “de olho” a Hunt, para controlar o seu já famoso comportamento, decidiu admitir a derrota e dar os pontos à Ferrari… e deixar Hunt a gozar a vida: “Havia uma banda no bar do hotel onde estávamos, com uma linda cantora, e James estava de olho. A cada intervalo, ele levava-a para o seu quarto e depois a trazia de volta, para que assim pudesse fazer o seu espectáculo até à próxima pausa, altura em que James a levava para o quarto. Isto foi assim até à meia-noite, bebendo cada vez mais, entretanto. Nessa altura, eu disse ‘vou para a cama’.” Aparentemente, Hunt continuou assim por toda a noite. 

Mas isso teve um efeito contrário ao pensado, pois o britânico fez a pole-position e venceu a corrida, com Lauda a ser apenas o oitavo, vítima de problemas com a sua coluna de direção, que tornou a sua condução dificil. E com o mesmo comportamento, na semana seguinte, no GP dos Estados Unidos, em Watkins Glen, Hunt conseguiu tudo: pole-position, volta mais rápida e a vitória na corrida, horas depois de Lauda ter aparecido no quarto de Hunt de fato completo, subido para cima da cama e anunciando perante o piloto inglês: “Hoje, vou ganhar o campeonato do mundo!“. Acabou na terceira posição.

A uma corrida do fim, o esforço final de Hunt tinha reduzido a diferença entre os dois para meros três pontos. Lauda tinha 68 pontos e Hunt 65. E tudo iria decidir-se num pais e num circuito totalmente novo para a Formula 1: o circuito de Mont Fuji, no Japão, a 24 de outubro.

(continua amanhã) 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s